domingo, março 02, 2014

Leminski

A lua no cinema

A lua foi ao cinema,
passava um filme engraçado,
a história de uma estrela
que não tinha namorado.
Não tinha porque era apenas
uma estrela bem pequena,
dessas que, quando apagam,
ninguém vai dizer, que pena!
Era uma estrela sozinha,
ninguém olhava pra ela,
e toda a luz que ela tinha
cabia numa janela.
A lua ficou tão triste
com aquela história de amor
que até hoje a lua insiste:
— Amanheça, por favor!

2 comentários:

Pedra do Sertão disse...

Fazia tempo que não vinha por aqui...gostei muito do poema..
Abração e bom carnaval...

Venha nos visitar: www.pedradosertao.blogspot.com.br

André Francisco Gil disse...

-lua-
Sozinha ela
tinha
a lua.
-Por favor luazinha
não me deixe
sozinha!
Cinema é apenas uma
estrela triste.A
estrela passou a brilha
ninguém quis ouvir (ou ver)
a sua história.
Enquanto olhava o amor da pequena
um filme passava pela sua cabeça.
Passava no cinema
um filme sobre a lua.
Tinha apenas uma pequena estrela.
Ninguém olhava a estrela sozinha.
-Por favor não me conte mais
essa história triste de
amor.

Hoje a luz está apagada
e tudo perdeu a graça.
A lua não cabia na história
de ninguém.
Nem na minha
nem na sua
não cabia a lua.
A estrela disse:
-Janela existe!
A manhã que nasce enamorada
vale a pena
porque tem pás(sônico)s pássaros
em líricos cânticos
e orvalho na relva molhada
e o sol aquecendo a pele morena.