sexta-feira, outubro 17, 2008

Deu no jornal de hoje

Ela abriu o jornal como faz todas as manhãs antes de ir para o trabalho e foi logo olhar o obituário. Seus amigos dizem que isso é coisa dos mais velhos, que procuram por amigos mortos. Ela não concorda. Foi olhando o obituário que descobriu a morte do seu hematologista. E depois, do seu gastroenterologista. Foram antes de mim, graças à Deus, ela pensou.

Agora, que seu jornal preferido tinha dado espaço para os eventos terríveis de sua cidade, mortes, assassinatos, chacinas, atropelamentos e execuções estavam na ordem do dia. Ela passava os olhos por eles, mas tentava não se deter, pois não era lá um jeito muito gostoso de começar o dia.

Só que especialmente hoje, uma notícia lhe chamou a atenção:

Amante traído mata o novo amante a tiros
Mulher casada tinha caso com assassino há 2 anos, mas
há 3 meses, havia arranjado outro
Num bairro de São João de Meriti, o Bigorrilho, 45 anos, foi preso por ter matado
o novo amante, de 49 anos, da sua amante, de 39. Os três mantinham um
triângulo amoroso, apesar de serem casados.
(Mas, então não era um pentágono? Ou um hexágono?, não ficou claro!)
Segundo Bigorrilho, sua amante estava conversando com o outro amante e
caminhando em direção a um motel, na Estrada São João Caxias. Segundo a mulher,
Bigorrilho perguntou quem era o homem ao seu lado e, como não obteve
resposta, descarregou o revólver calibre 38 no cara.
(Como assim um assassino chamado Bigorrilho? Catar os amantes na estrada?)
De acordo com o delegado da 64 DP, Bigorrilho cometeu homicídio qualificado
por motivo fútil e pode receber de 12 a 30 anos de prisão.
(Vai sair da cana com, pelo menos, 51 anos! Quanto tempo perdido por nada!
E o marido da Dona, é corno duas vezes?)

Seria cômico se não fosse trágico! Ela não teve como não lembrar da música do Bigorrilho:

Lá em casa tinha um bigorrilho
Bigorrilho fazia mingau
Bigorrilho foi quem me ensinou
A tirar o cavaco do pau
Trepa Antônio
O siri tá no pau
Eu também sei tirar o cavaco do pau
Dona Dadá, Dona Didí
Seu marido entrou aí
Ele tem que sair, ele tem que sair.
E procurando pelo significado desta palavra, descobriu que Bigorrilho é um indivíduo reles, desprezível. Fechou o jornal, e foi trabalhar.

2 comentários:

Simone K. disse...

muito bom este texto, Rebecca. prendeu a atenção do início ao fim.

Eu tb conheço uma amante que quse se matou porque o cara a largou para ficr com outra amante. A vida é isso aí, como diz o Nelson, "como ele é".

Bj,
Simone

PRG disse...

amante corno é surreal!
confesso que, quando li essa notícia, demorei para entender..
só faltou o cara estar de camisa do urubu